Mass Effect - A Saga

Alguns anos atrás uma desenvolvedora chamada Bioware iria deixar gamers do mundo todo totalmente atônitos com o lançamento do melhor jogo de ficção científica dos últimos anos: Mass Effect.


Originalmente exclusivo para o XBox 360, Mass Effect ganhou uma legião de fãs devido a sua história envolvente e, por que não dizer, eletrizante, mostrando como a raça humana estará em um distante futuro onde pudemos contactar outras civilizações e começamos a nos expandir por todo o universo.



Neste contexto, diversas raças de alienígenas nos são apresentadas, bem como cada uma delas vê a humanidade no contexto do jogo. Por sermos ainda jovens na exploração espacial, as opiniões dos humanos são visivelmente ignoradas por um conselho de raças centralizado em um local chamado Cidadela, onde todas convivem simultaneamente.

O jogo começa com a criação de seu personagem, lhe dando permissão de escolha entre diversos fatores, desde o sexo até a história pregressa, dando a ele suas motivações e respostas perante diversas situações do jogo, inclusive tornando-o um xenofobo que acha que a humanidade é quem deve dominar as outras raças.

Shepard (o sobrenome é padrão, pode-se mudar o nome), começa como imediato no SSV Normandy, uma nave experimental dos humanos e que serve apenas aos interesses dos humanos. Depois dos eventos iniciais, ele ganha o lugar como capitão da nave e o tem de caçar um Espectro chamado Saren. Shepard é nomeado Espectro para que levasse em frente tal caçada, tornando-se o primeiro humano com esse cargo.

Saren usa de uma raça de seres inorgânicos chamado Geth para tentar contatar os Reapers, uma raça até então considerada como mito pelas demais, que irá exterminar todos os seres vivos naquela porção do espaço. Poucos crêem em Sheppard e sua tripulação, forçando-o a agir sozinho e muitas vezes sem autorização.

Após a gigantesca batalha final que destrói parte da Cidadela, Shepard tem diversas decisões a tomar, no caso, o jogador é quem as toma. Isso influirá e muito em seu papel no segundo jogo que é uma continuação direta.

Em Mass Effect 2, Shepard continua sua busca pela verdade, mas logo de cara, você morre. Isso mesmo, o jogo começa e seu personagem, junto de parte da tripulação do Normandy é morta em um combate com uma nave da raça chamada Collectors.



Após o começo eletrizante, Shepard é trazido de volta a vida por uma organização humana chamada Cerberus, que defendem mais força e proteção aos humanos da galaxia, não importam os meios. Após os eventos iniciais, Shepard ganha diversas melhorias cibernéticas.

Explorando uma colônia humana, eles descobrem que seres humanos estão sendo sequestrados por toda a galaxia e levados pelos Collectors, mas sem saber o porque. Sabendo disto, Cerberus define que Shepard irá ter de passar por um retransmissor (uma espécie de portal no espaço), que os levará até um local de onde nenhuma outra nave voltou.

A missão, batizada carinhosamente como Missão Suicída só poderá ser bem sucedida se durante todo o jogo você jogador, conseguir recrutar todos os personagens possíveis, bem como fazer suas missões paralelas e comprar os upgrades que eles tem para sua nave.

Caso isso não ocorra, logo que começar a missão impossível, diversos dos seus personagens morrerão ainda dentro da nave, te deixando apenas com o mínimo possível para a sua vitória, que será quase uma derrota pela quantidade de corpos deixados para trás.

Terminada a missão suicída, Shepard descobre que os Reapers já estão vindo e que muito mais deverá ser feito para evitar a aniquilação de toda a vida da galaxia.

Isto que eu falei foi uma versão extremamente resumida dos eventos que se passam nos dois primeiros jogos e missões extras baixáveis. O grande diferencial deste jogo, além das diversas possibilidades de customização, são as escolhas que podem ser feitas em termos de diálogo e ações. O seu Shepard pode ter todos os meandros de um ser humano normal, com bondade e maldade a sua escolha. O jogo te instiga a cair para um dos lados, mas é possível ficar em cima do muro e não ser nem bom e nem mau.



Em termos de jogabilidade, Mass Effect sempre foi um shooter em terceira pessoa com possibilidade de evolução do personagem com base em ganho de experiência, liberando novos poderes e aumentando os danos das armas. Com o sistema de cobertura e mira, os tiroteios se tornam frenéticos e muitas vezes complicados, exigindo que o jogador saiba dosar tiros com os poderes e tecnologias disponíveis, abrindo um leque de possibilidades.

Agora, com a chegada de Mass Effect 3, muito se fala da possibilidade da trilogia se tornar uma série de filmes em Hollywood. A Bioware e a produtora estão ainda começando a desenvolver as idéias. Pode ser que o filme realmente aconteça, mas muito provavelmente não será 100% fiel aos jogos que tem horas e horas de ação e falas, focando-se apenas nos principais eventos do jogo.

Por João R. Dib
Mass Effect - A Saga Mass Effect - A Saga Reviewed by J.R. Dib on janeiro 11, 2012 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.